Observação: Qualquer semelhança com pessoas ou fatos reais terá sido (ou não) mera coincidência!

terça-feira, 18 de dezembro de 2007


Cedo aprendeu a fazer o que chamava “olhar de nada”. Como defini-lo? Não era um olhar inexpressivo, era um olhar que passava uma idéia... de não, nada interessante está acontecendo no momento; assim, um blefe! Manter o olhar de nada era fácil então. Conseguiu mantê-lo por anos. O olhar de nada estava associado a outro blefe. O do sentimento de nada. Algo como fingir que não existia, para não chamar atenção. O que chamamos de fingir-se de morta, até para si mesma, porque para controlar os olhos era imperativo fingir para si mesma. Conseguiu fingir-se de morta por muitos anos, até que começou. Da primeira vez percebeu o perigo a tempo. Os olhos de repente acenderam. Durou apenas alguns segundos, até que o alarme tocasse e o fogo fosse controlado. Saiu-se bem naquele dia. Uma pessoa notou (a conhecia muito bem), e outra pensou que tinha visto algo, mas não teve certeza. Ao ser argüida a respeito negou e pronto, mas, o mal (ou bem) estava feito.
Então começou a acontecer com freqüência. Cada vez mais difíceis controlar, os olhos riam, choravam, brilhavam, sofriam... e o número de pessoas que notavam foi aumentando. De início usava abaixar a cabeça, mas, depois de um tempo, isso só chamava mais atenção. E as pessoas começaram a comentar entre elas, perturbadas com todos aqueles sentimentos, assim, expostos. Palavra proibida e incômoda: exposição.
Naquela madrugada restavam poucos, a maioria já havia ido dormir. Alguém pegou o violão e começar a cantar músicas que não eram ouvidas há tempos. Dentre os insones, alguns choravam, outros suspiravam, mas, na penumbra, e com cada um voltado para dentro de suas lembranças. Ela permanecia sentadinha em seu canto, quase imperceptível. Havia sido chamada para juntar-se aos demais, mas, não, precisava controlar os olhos e os sentimentos. Melhor permanecer ali mesmo. Foi quando a luz apareceu, de início fraquinha, como a chama de uma vela, mas cada vez mais brilhante. Tentou fechar os olhos, mas a luz atravessava as pálpebras. Tentou abaixar a cabeça, mas a luz batia no assoalho e refletia por todos os cantos. Decidiu ir embora, mas já era tarde. Todos já haviam percebido. Os olhos brilharam despudoradamente. O motivo? Ah, esse já se desconfiava há muito!

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Ainda livros

Os dois primeiros livros da minha vida ganhei-os juntos, de uma tia especialmente querida. Os livros eram “O Pequeno Príncipe” e “ Flautista de Hammerlin”. Não os tenho mais, porém ainda mantenho a curiosidade que senti ao folheá-los, ao ver as figuras e imaginar que histórias estariam escondidas naquelas letrinhas que eu ainda não conseguia decifrar. Minha mãe lia um pouco para mim à noite, e costumava parar em momentos cruciais; então, deixava o livro por perto e decretava hora de dormir! Como eu desejava não ter de esperar até o dia seguinte, como desejava ser capaz de ler sozinha! Talvez por isso tenha aprendido a ler muito cedo e associado os livros ao prazer, curiosidade e pessoas amadas.

Quem acompanha o blog lembra que já escrevi sobre livros antes. Volto ao tema por um motivo especial. Ganhei um presente de natal: um livro, de uma pessoa amada, com dedicatória!
Certamente todos conhecem a felicidade de possuir um objeto associado a um ser amado. Quem nunca pegou, cheirou, abraçou, beijou um objeto, lembrança manipulável, que se pode levar para onde bem entender? Pois assim é o meu livro! Posso acariciar meia página escrita a mão onde leio o meu nome (sim, para não restar dúvidas que a dedicatória foi feita para mim), palavras amorosas, o nome amado e uma data: dez/07. E seguem essa delícia algumas dezenas de páginas com histórias fantásticas de seres imaginários! Puro deleite!!!

Por algum motivo louco me vem à cabeça a música de Chico* e imagino sábios tentando decifrar signos desconhecidos, estampados em um estranho objeto, proveniente de uma antiga civilização, o qual terá sobrevivido à terríveis cataclismas, como por milagre, e se perguntando que segredos poderiam estar ali registrados para que houvesse sido tão amorosamente preservado!

*Futuros Amantes

sexta-feira, 16 de novembro de 2007

Passado

Não é um filme sobre mulheres desequilibradas, como andei lendo por aí, e sim sobre pessoas tentando lidar com perdas. O que vi foi a história de um homem que renuncia à memória quando se recusa a escolher parte se seu passado, representado por fotografias. E por um triz não se perde. E de mulheres buscando encontrar sentido, em meio a dor, ainda que comportando-se como loucas para tentar recuperar um amor perdido. Desequilibradas, mas não desesperadas. O homem, porém, embora mais contido, quase sucumbe ao desespero.
Não fiquei chocada com o comportamento dos personagens. Cada um sabe o tamanho da sua dor...

quarta-feira, 14 de novembro de 2007

"Fragmentos de um discurso amoroso"

"...O ser amado... parece então tomar a pulso afundar-me em meu delírio, manter e irritar o ferimento amoroso: ...o outro tenta me enlouquecer. Por exemplo: ... alterna atos de sedução e de frustração (procedimento normal da relação amorosa); passa sem aviso prévio de um regime a outro, do carinho íntimo, cúmplice, à frieza, ao silêncio, à despedida...
Em suma, o outro não cansa de me recolocar em meu beco sem saída..."



"MUTISMO. O sujeito amoroso se angustia pelo fato de o objeto amado responder parcimoniosamente, ou não responder, às palavras (discursos ou cartas) que ele lhe destina."



Nem preciso comentar hehehe...


"IMAGEM. No campo amoroso, os ferimentos mais profundos vêm mais daquilo que vemos do que daquilo que sabemos."


Sentado ao lado dela, conversando (apenas conversando, meu bem).


Nem sei por que falo/escrevo tanto.
Nenhum comportamento/sentimento é inédito mesmo!
Ah, como já devem ter percebido, estou relendo

“Fragmentos de um discurso amoroso” de Roland Barthes. As passagens entre aspas são compilações do livro.

P.S.

"E se o N.P.Q. fosse um pensamento tático (finalmente um!)? Se eu continuasse querendo (se bem que secretamente) conquistar o outro fingindo renunciar a ele? Se eu me afastasse para possuí-lo mais seguramente? O reverso (jogo no qual vence aquele que ganha menos mãos) repousa num trunfo bem conhecido dos sábios ("Minha força reside em minha fraqueza")... "

N.P.Q. = Não querer possuir

Campanha WWF 2007

Money makes the world go around...

sexta-feira, 9 de novembro de 2007


Foram necessários muitos acasos, muitas coincidências surpreendentes (e talvez muitas procuras), para que eu encontrasse a Imagem que, entre mil, convém ao meu desejo. Eis o grande enigma do qual nunca terei a solução: por que desejo esse? Por que o desejo por tanto tempo, languidamente?
Roland Barthes


N. está apaixonada!
Quem não está, não pode entender!
É contemporâneo desprezar as paixões; encarar como doença, ou, pior, tentar chamar a pessoa a uma outra realidade. Quem nunca ouviu alguém dizer que fulano ou sicrano tem esse ou aquele defeito e que a pessoa não deveria se envolver. Como se fosse questão de escolha...
Aliás, está na moda achar que tudo é questão de escolha. Os analistas adoram isso! Preste atenção em suas escolhas...
Escolha?
Pois escolha conscientemente um homem ou mulher que tenha todas as qualidades que você considera importantes em um relacionamento. Quando digo qualidades, refiro-me a todos os aspectos da vida: família, profissão, saúde, temperamento, aparência física, nível sócio-econômico, interesses, etc... Nada pode ser diferente do que você esperaria . Afinal, é uma escolha!
Apaixone-se por essa pessoa e faça com que se apaixone por você!
Não vale se não for meticulosamente planejado, não vale sentir-se atraído primeiro e depois achar tudo maravilhoso! Já não terá sido escolha.
Agora olhe para a pessoa por quem já estava encantado(a) antes. Aquela cuja presença é a mais gostosa do mundo, mas que tem alguns, ou muitos senões.
Esqueça!
Troque!
Boa sorte!

domingo, 4 de novembro de 2007

Há aves que se alimentam de migalhas e de grãos. Preferem os últimos por serem mais nutritivos.
Há humanos que não se conformam em ficar aterrados, então forjam asas com o melhor material que encontram, e buscam o mesmo alimento.
Não é tão fácil para um humano, quanto para uma ave, distinguir, do alto, migalhas de grãos. Porém, quando o que se quer é voar, sempre vale a pena, com mais ou menos energia.
Há humanos que pagam pra ver.

terça-feira, 30 de outubro de 2007


“Eu quase desejo não ter entrado na toca do coelho...mas, mas, é tão curioso, sabe, esse tipo de vida! Eu queria saber o que pode ter acontecido comigo. Quando lia contos de fada, ficava imaginando que esse tipo de coisa nunca acontece e agora estou aqui no meio de um! Deveria haver um livro escrito sobre mim, deveria sim! E quando crescer vou escrever um...mas...eu já cresci...”

Alice no País das Maravilhas
Lewis Carroll

A felicidade não precisa necessariamente estar onde aprendemos. Para quem tem coragem existem diversas vias alternativas. O problema é quando se erra. Sim, porque todos erram, mas, quando erramos tentando seguir caminhos tradicionais, temos de lidar só com a frustração. Porém, quando erramos tentando reinventar a vida, aí, além da frustração, vêm as críticas, algumas bem cruéis. Nesse caso é inevitável pensar que talvez tivéssemos sido mais felizes fazendo o que todo mundo faz! Bom, com o tempo aprende-se que isso é uma bobagem sem tamanho! Pois sigo em meu caminho inventado e reinventado, ajustando o rumo aqui e ali, sempre que meu coração solicitar!

terça-feira, 16 de outubro de 2007

Adão do "Prosa Eletrônica" me passou uma tarefa. A brincadeira consiste em pegar o livro mais próximo, abrir na página 161 e escolher a quinta frase completa.
Estou lendo Zorro, de Isabel Allende, então é definitivamente o livro mais próximo. Eis:

"Seu povo considerava as crianças uma benção, e um ventre seco era motivo de divórcio, mas Ramón a amava muito."

Com o perdão da má palavra, alguém só pode estar de sacanagem comigo...




Adão, muito obrigada pelo selo que aqui exibo com orgulho! Vou visitar, em breve, os blogs sugeridos por você! Tenho certeza de que vou gostar muito!

domingo, 14 de outubro de 2007

Outubro

Outubro iniciou bem! A princípio não pressenti o perigo, houve apenas uma leve inquietação quando uma amiga querida, que não me procurava há algum tempo, ligou para saber como eu estava! Encarei como carinho e não pensei mais nisso! Depois vieram alguns dias difíceis e uma tristeza que me colocou de cama por todo um fim de semana prolongado! De início associei a tristeza aos eventos da semana, mesmo achando um pouco estranho, já que problemas acontecem de vez em quando, mas não costumam me derrubar!
O que clareou tudo foi essa mania de escrever. Já estava quase dormindo quando me bateu uma vontade enorme de aprisionar, ou libertar – vai saber - sentimentos em frases. Como não dava para ligar o micro àquela hora, peguei um caderno velho que estava largado em cima da mesa do escritório e um lápis quase sem ponta e os levei para debaixo das cobertas. Tratei de colocá-los para trabalhar, ainda que quase dormindo. No dia seguinte comecei a ler o que havia rabiscado de forma um pouco confusa e algo gritou pela minha atenção. Entre coisas ininteligíveis estava escrito com clareza:
“Como se outubro estivesse apenas me espreitando para que tudo recomeçasse”.
Lembrei, então, o motivo da minha dor! Outubro realmente aguardava, quase em silêncio, como uma bomba relógio tic-taqueando em meio à algazarra de um shopping center. O destino que havia sido escrito meses atrás e que eu havia tentado burlar com numerosas atividades prazerosas... pois outubro esteve à espera a maior parte do ano de 2007, e teria me engolido caso uma frase rabiscada em um papel, minutos antes de dormir, não me trouxesse consciência do que eu havia enterrado por tantos meses!
Outubro ainda não me pegou!
Que o ano de 2007 termine bem!

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

"Quando te vi, eu bem que estava certo de que me sentiria descoberto..."

Não me interessam os amores fugazes, a quantidade, as conquistas rápidas. Não! Gosto dos amores longos. Gosto de descobrir aos poucos uma pessoa; passar pela atração violenta, idealização, decepção e reconstrução de uma imagem mais afim da realidade. Gosto de ir descobrindo o ser amado real, o dia-a-dia, as qualidades, os defeitos...ver o amado em sua humanidade. Leva tempo isso, descobrir a humanidade de alguém. Gosto de, depois de muito tempo, olhar uma pessoa e pensar: você é diferente do ser que a minha paixão idealizou; é real, é melhor, é pior, é mais...e eu te amo!

terça-feira, 25 de setembro de 2007

Baquetas!

Não fui ao Saturnino meninas, perdoem! Estava louca para voltar, precisava comprar leite antes que a padaria fechasse, Dé precisa ter leite de manhã e descer às 6:00hs...melhor comprar agora!
Amo vocês, muito, mesmo! Sei que devem estar debatendo a minha vida e os meus motivos! Contem amanhã! Vou adorar saber o porquê das coisas, quero muito saber! Não me abandonem meninas, amo vocês! Só queria voltar pra casa com o leite e uma latinha de cerveja para comemorar a noite de hoje! Aprendi a usar os pedais!!! Agora além de tocar com as duas mãos em um monte de coisas, também uso os pedais!!! Fantástico!!!
Sim, Dé, mamãe já jantou! Esse bife é só só um lanche! Não, filho, não perguntei a marca da bateria! Escolhi a vermelha! Na realidade preferiria que fosse rosa, mas serve vermelha, melhor do que a outra, que era preta! Não fique tão preocupado com a marca, a bateria é uma brincadeira. Que faça um ritmo gostoso, mais nada! Na sala! Vou colocar a bateria na sala! Muito justo! Se eu posso ter uma bateria na sala, então podemos pendurar o saco de areia! Sim, que venha o saco de areia, mas veja bem, meu amor, vermelho, ok? Um saco de areia vermelho! Preferia rosa, mas já que a bateria é vermelha...

domingo, 23 de setembro de 2007

"Quem pode querer ser feliz..."


O Centro Cultural Veneza tem poltronas confortáveis, poltronas giratórias! O que não tem é garçom passando na sua frente e falando durante o show. Ah, isso não tem! Você vira de frente para o espetáculo, recosta e se ocupa apenas do prazer que vem do palco, mais nada!
O artista? João Bosco! Quem é devoto sabe o que significa assisti-lo, quem não é não vai entender, logo, nada direi sobre o artista!
A companhia? A única com a qual desejaria ver e ouvir João Bosco, sua voz e seu violão. Um show a parte enquanto cantava baixinho, sorria e compartilhava mais esse prazer!

O pandeiro cresceu! Anda cada vez mais importante em minhas mãos, na minha vida! Adquiriu novos significados e novas cores! Ando fazendo planos para ele! Ele entende e me responde, cúmplice!
Aliás, adoro essa palavra...cúmplice!

Tenho estado muito ocupada! Ocupada da vida! De repente me deu uma sensação de tudo poder, uma vontade de experimentar! Ontem mesmo pensei que nunca fiz cinema. Assim, do nada, estava vendo uma reportagem sobre o festival e pensei que nunca fiz cinema e de repente me deu uma vontade de fazer um filme! Como em “Saneamento Básico”, assim, simples! Como em criança, quando brincava do que me desse na telha! Não lembro exatamente quando tudo começou a ter peso! Talvez na adolescência. Era tudo muito sério na adolescência.

Estou aprendendo a tocar bateria! Por que? Só porque existe bateria e eu nunca toquei. Então me deu vontade! Simples assim!
Por que não?

P.S. Em que pensa uma pessoa ao fazer uma expressão séria enquanto ouve "Memória da Pele"? Alguém do passado? Do presente? Essa música deve ser proibida a partir de agora, para que nenhum ser amante tenha de se preocupar com o que o sujeito dos seus amores pensa ao ouvir "Memória da Pele"! Aliás, com que direito alguém escreve e canta "Memória da Pele"? Com que direito?

domingo, 16 de setembro de 2007

Por vezes a solidão me pega de repente, em uma festa, em uma noite, ou mesmo em uma manhã bonita! Nesses momentos queria demolir tudo, que é pra ver se consigo encontrar o erro, o defeito, a peça que precisa ser trocada ou seja lá o que for! Mas aí vem outro ensaio, outra aula, outra música...até quando?
Nos piores momentos quero você como um analgésico! Você pressente e nunca está lá! Melhor assim... quem sabe, um dia, nem sono, nem dança, nem nada dê resultado e eu seja obrigada a dar um jeito nisso?
Mas, dar um jeito em que?

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Gosto de passar pelo espelho e me pegar sorrindo
Por uma lembrança, uma palavra, um trabalho, um rosto...
É o sentido
É o que interessa

terça-feira, 28 de agosto de 2007

Estas mulheres destemidas e seus deliciosos canalhas


É muito comum ler por aí que algumas mulheres gostam dos “canalhas”* porque pensam que com elas será diferente, que podem modificá-los. Nunca acreditei muito nessa teoria, mesmo porque um “canalha” modificado é a coisa mais parecida que eu conheço com um animal empalhado. E quem já viu um animal empalhado sabe exatamente do que estou falando...
Pois, do alto da minha completa ignorância em psicologia afirmo - e só os ignorantes possuem competência suficiente para afirmar - que o que essas mulheres amam nos canalhas é, justamente a IMPOSSIBILIDADE DE MODIFICÁ-LOS!
Em homenagem a essas mulheres destemidas e seus deliciosos “canalhas” escrevi a oração abaixo:

Obrigada por não estar disponível o tempo todo
Por ser a mais deliciosa das criaturas
E a seguir a mais odiosa
Só para depois sorrir e dar o abraço mais gostoso do mundo
E o olhar mais terno
E os beijos mais doces
E os amassos mais apaixonados
Tudo antes de sumir por aí com alguma amiga
“Apenas amiga, não houve nada meu bem! Fique tranqüila, viu?”
Obrigada por não permitir que o meu amor morra entre tédio e contas
Obrigada por se manter alheio ao meu dia-a-dia, minhas crises, gripes, enxaquecas, carências, banzos...
Por ser esta criatura deliciosamente escorregadia
Por não cuidar de mim, apenas me fazer sonhar e desejar e desejar e sonhar...
Porque do resto cuido eu
Amém!

*Odeio essa palavra, apenas não encontrei outra mais apropriada


P.S. Ao contrário do que vocês podem pensar, jamais me casei com um “canalha”!

domingo, 26 de agosto de 2007

Será que alguém pode me dar uma explicação evolutiva para a TPM?!?!
Talvez para manter os homens a quilômetros de distância (provavelmente com auxílio de algum tipo de projétil), em uma época em que qualquer aproximação seria um desperdício de gametas!!!
Deve ser isso!!!
Mas, por outro lado, não há TPM que resista ao olhar de um certo rapaz muito querido...
E quem se importa em desperdiçar gametas em um planeta superpovoado?!?!?!
Não, essa explicação não foi boa!!!!
Alguém tem outra?

quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Cena real de novela mexicana

...Se puder esqueça a menina que você seduz...
(Último Blues - Chico Buarque de Holanda)

Eu, já irritada com uma conversa estranha, conversa totalmente fora de tempo e lugar:
-Eu não te amo, sinto muito! E se você continuar com esse papo vou começar a acreditar que você me amou esse tempo todo!
Ele balança um sim com a cabeça e começa a cantar baixinho.
Eu:
-A forma como você me perseguiu todos esses anos! Como eu não enxerguei? Você nunca deixou de sofrer! Você abriu mão de amor....mas, por que?!?!?
Ele:
-Você ia acabar me dando um fora!
Eu:
-Como você podia saber???
Ele:
-Você teria sido feliz comigo?
Eu:
-Por algum tempo sim. Até quando? Quem pode saber???? Meu Deus, como não percebi??? Mas, não importa, de qualquer maneira faz tempo que não te amo mais!!!
Ele:
-Então, foi pior pra mim, não?
Eu:
Agora sim, mas, na época foi terrível para os dois!!! Eu era muito jovem... você partiu meu coração...eu não te perdôo por isso!!
Lágrimas nos olhos dele enquanto canta “Eu sei que vou te amar”.

Saio irritada, pensando no que não disse, no que eu realmente não perdôo, que é ter passado tantos anos da minha vida achando que me havia enganado. Que não sei perceber a diferença entre um homem que ama e um que apenas deseja.

sexta-feira, 17 de agosto de 2007

Enquanto pintava as unhas de vermelho pensava que M e F têm razão.
Está na hora de deixar o cabelo crescer novamente!

E para quem acompanhou a saga da princesa J e de D, o mocréio mané:
A vaca S foi pro brejo.
A princesa J foi vista saltitando por aí, com um sorriso misterioso nos lábios.
O mocréio mané? O nome já diz!!!
C conheceu R e foram felizes enquanto dure (essa parte ainda será providenciada)!
Eliana? Ah... essa foi cuidar da sua vida que anda boa demais!!!!

sábado, 11 de agosto de 2007

Novidades

Hoje comprei o pandeiro. Era um projeto antigo, mas preferi aprender a tocar tamborim primeiro. Por causa do carnaval. Alguns carnavais depois, surgiu a oportunidade, na verdade “pilha” de uma amiga. Pois ela arranjou o professor, descobriu a loja, o preço, e foi comigo. Mesmo se não quisesse teria sido contagiada. Pois comprei o dito e tive a primeira aula. Já me vejo daqui a alguns meses acompanhando vários ritmos com o brinquedo novo!
Descobri o mp3 depois que herdei um do meu filho. Agora vivo com esses fones na orelha pra lá e pra cá! Ótimo viver com um adolescente, a gente passa a ter contato com aparelhinhos para os quais jamais olharia duas vezes. Sou do tempo do disco de vinil e fita cassete e nunca imaginei que me interessaria por algo depois dos CDs.
Voltei a dançar na ponta após 20 anos
O próximo projeto... ah, esse conto depois...
Eita fase boa essa...
P.S. O cachorro devorou um pote de margarina que estava em cima da mesa!!! E quem toma bronca do veterinário sou eu...

sábado, 4 de agosto de 2007

"Se ao te conhecer, dei pra sonhar fiz tantos desvarios..."


Você jamais permitiria que nos colocássemos em gaiolas
Com você sempre existirão as cores
E os vôos
Com você sempre amanhece de um jeito novo

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

Estranha...

Estranho admitir que nunca nada vai mudar.
E aceitar que não há o que eu faça ou deixe de fazer...
Simplesmente é!
Ou não é!
Estranho ter demorado tanto para aceitar...

sexta-feira, 13 de julho de 2007

segunda-feira, 9 de julho de 2007


O pior não é ter perdido a ilusão, mas a espontaneidade. Quando a criatura mais livre do mundo começa a se sentir ridícula com freqüência, e a permitir que esse sentimento molde as suas atitudes, a ponto de não se reconhecer, ah! quando isso acontece é porque algo muito precioso se perdeu. Uma grande, uma enorme pena!

quinta-feira, 5 de julho de 2007

Queria publicar a tua foto e mostrar ao mundo inteiro teu sorriso. Queria que todos acreditassem, como eu, que aquele momento de ternura e alegria reproduz a NOSSA realidade. Queria que o abraço fosse especial e que o pronome de tratamento fosse exclusivo. Mas és apenas um cachorro vira-latas sorridente, que tem uma grande e importante história de amor com o personagem do momento. O momento é fugaz e as atrizes, estas mudam constantemente. Por mais que se revezem e a mesma atriz possa ocupar inúmeras vezes o mesmo lugar, o que importa para ti é o personagem. Apenas o personagem.

sábado, 30 de junho de 2007

Mouvement no.3 Patrice Palacio

A proximidade desnuda a tua solidão e a coloca diante de ti! És obrigada a olhar para ela, percebê-la, admiti-la. Coisa perturbadora é encarar a própria solidão, especialmente quando os dias são tão tranqüilos. Quando olhas a solidão nos olhos e ela zomba de ti, das tuas escolhas, de todo o esforço para ter controle sobre todos os aspectos, da convicção de ter construído tudo conforme o planejado...Quando olhas a solidão nos olhos é como se uma tempestade estivesse prestes a derrubar tudo e fosse imperativo escolher novamente entre encarar a reconstrução e procurar o abrigo.

quarta-feira, 27 de junho de 2007

Hoje

De novo e de novo e de novo... e sempre, sempre emocionante...
Como a vida deve ser!

sábado, 23 de junho de 2007

"Long and winding road"

Abandonei a dança, há muitos anos, porque achava que a amava infinitamente mais do que ela a mim. Não conseguia conviver com a dor que isso me causava. Achava esse descompasso a maior injustiça do mundo! Hoje sei que amar é sempre uma benção, e que não ser amada como se acha que deve não significa não ser amada. Não me arrependo do tempo que estive longe, pois esse tempo, de amadurecimento, me trouxe de volta para quem sempre esteve lá, a me esperar.

quarta-feira, 20 de junho de 2007

Há um leve incômodo, não nego, mas, apenas um leve incômodo. Há algum tempo teria sido uma grande dor...
Fora isso foi gostoso ir ao supermercado depois da academia. Bom estar aqui sentindo o cheirinho do mar e dormir daqui a pouco, acompanhada, em segurança...
Há apenas essa pequena turbulência emocional, mas, tão pequena... como quando se observa uma criança que se afasta um pouco brincando...

terça-feira, 19 de junho de 2007

Hoje lembrei que esqueci uma data...

Do Amoroso Esquecimento
Mário Quintana

Eu agora - que desfecho!
Já nem penso mais em ti...
Mas será que nunca deixo

De lembrar que te esqueci?

sábado, 16 de junho de 2007

Uma grande estrela! Das que se recusam a atuar em uma comédia de quinta, porque reconhecem ser boas demais para o papel.
E ainda resta a diversão de ver outra pessoa fazendo o papel ridículo...
Que maldade, tsc, tsc, tsc...
Mudando de assunto: se eu desaparecer, procurem entre as provas. Pilhas delas tentam me devorar...

domingo, 10 de junho de 2007

Ainda esse assunto?!

Sofiane Sylve em Giselle

Tá bom, vamos combinar que já paguei Giselle enlouquecida. Estive perfeita; desgrenhada, desorientada... A personagem me caiu como luva: cabeleira não me falta, tampouco palidez (apesar da heroína viver no campo – vá entender). Muito convincente, muito aplaudida, quase podia sentir as lágrimas na platéia. Mas, vamos também combinar que Giselle morreu!!! Morreu, coitada! Tá mortinha!!!! E nada de vir assombrar, já cantei pra subir. Ela e as Willis. Descanse em paz, Giselle!

quarta-feira, 6 de junho de 2007

Rosa

Começou com as presilhas de cabelo. De início um brilho discreto, depois uma flor vermelha...
Então veio o esmalte cor-de-rosa... Não, não esse rosado cheio de recato, meio cor de unha, que as mulheres adoram, mas um rosa escandalosamente chamativo! Um senhor rosa!!!
Daí veio o sapato. Da mesma cor rosa, muito rosa!
E agora esse tom rosado no rosto...

"Eu fecho os olhos e tudo vem..."

E eu tentando pateticamente encontrar na sua cara de anjo resquícios do desgosto passado... Inútil!

domingo, 3 de junho de 2007

"Hora perigosa"

Domingo frio e chuvoso, início da tarde. Todos ainda dormem. Até o cachorro prefere permanecer enroscado a interagir. Silêncio.
F retorna a ligação, acabou de acordar. Comédia romântica, café e muito bate-papo feminino. Uma semana para colocar em dia. Ao final da tarde todos estarão ativos, vem o jantar, vem a segunda...

sábado, 2 de junho de 2007

Essa criatura...

Não é humano! Pertence a uma espécie rara, com características comuns aos sacis, botos e tangarás. São seres adoráveis e brincalhões grande parte do tempo; mas também extremamente ariscos. Quando se tornam detestáveis vão para o seu mundo, onde desaparecem por tempo indeterminado. Costumam voltar sorrindo, como se nunca houvessem partido. Só não conte com isso, pois, mais que tudo, amam a imprevisibilidade. Você pode ouvi-los cantar, divertir-se muito com eles, desfrutar sua deliciosa companhia... mas...atenção!!!! Jamais, jamais permita que troquem olhares com você! É como tais criaturas capturam a alma humana. E sob nenhuma, nenhuma hipótese deixe que murmurem palavras ininteligíveis ao seu ouvido... trata-se do feitiço mais poderoso que já foi inventado, para o qual não existe remédio em nosso planeta...

quarta-feira, 30 de maio de 2007

Veneza



Ontem tive mais um daqueles momentos em que as lágrimas correm com tanta facilidade que a gente parece uma nascente. Alguns acontecimentos me levaram a chorar: a história de uma amiga sobre um vestido e uma foto, um filme bobo que eu vi no cinema e mais um filme não tão bobo depois do cinema. Chorei pelo motivo mais comum: algo que eu não vivi; não do jeito que tinha sonhado, planejado.
Então aconteceu de novo! Desde pequena viro meu próprio jogo, mudo meu humor, de uma hora pra outra, sem consciência de estar fazendo isso. Lembrei de Veneza.
Cheguei em Veneza em uma daquelas noites do verão europeu em que o sol ainda está alto no céu. Quando entrei na Praça de São Marco eram exatamente 20:00hs e todos os sinos começaram a tocar. Fiquei extasiada!!! Toda aquela beleza me envolvendo e aquele som maravilhoso... inesquecível! Parei encantada, emocionadíssima! Fui trazida ao chão por uma voz me chamando. Era preciso encontrar o hotel. Caraca! qual era a importância de encontrar o hotel naquele momento? Toda aquela beleza... o hotel que ficasse pra mais tarde! O hotel estava no futuro, o presente bastava! O presente era perfeito!
Quando lembrei disso me dei conta do tempo que perco chorando pelo que não vivi enquanto a vida acontece!
As lágrimas secaram e fui dormir feliz, ouvindo sinos.

domingo, 27 de maio de 2007

Permitido Emocionar

Primeiro foi o filme! Finalmente fui ver Proibido Proibir. Tudo bem, isso já foi semana passada, mas não havia tido tempo de comentar ainda.
Emocionante! Emocionante! O cara conta uma história triste, que acontece o tempo todo ao nosso lado, uma história muitíssimo triste, de uma forma bela! Belíssima!!!! E garanto, atinge mais fundo que qualquer documentário sobre o abandono, a exclusão, a profunda injustiça social que abraça uma enorme parte do conjunto de pessoas da nossa cidade! Atinge muito mais porque vem vindo devagarinho, você ri aqui, se emociona um pouquinho ali, e quando percebe, a realidade já invadiu, e você nem teve tempo de se defender e então você nem quer mais se defender. E aquelas pessoas se tornam suas amigas, seu problema, e você fica pensando em fazer alguma coisa. Só não sabe o que. Forma mais fantástica de contar uma história triste!
Tem a questão do personagem: ele realmente me lembra muito alguém, muito mesmo! Com a diferença de que esse alguém tem 25 anos a mais que o personagem! Mas isso não é ruim! Talvez se esse alguém crescesse, virasse apenas um velho ranzinza! Vai saber...
Depois veio o outro acontecido. Estava sentada esperando uma pessoa. Próximos a mim estavam um ator conhecido, alguém que parecia sua mãe e outra pessoa que eu diria ser sua irmã. Pois a irmã recebeu um telefonema e começou a tecer elogios a um filme. Os elogios utilizavam termos técnicos. Não entendo nada de cinema: vejo, me emociono ou não e pronto! Mas sabia de que filme ela estava falando ainda que ela sequer houvesse citado o nome, a história ou qualquer personagem: ela falava de Proibido Proibir!
Quando desligou, pedi licença (sou assim, um tanto espaçosa) e perguntei se era realmente desse filme que ela falava!
Era mesmo e ela falava com o diretor, seu amigo. Não falava com ele há bastante tempo e só então tivera a oportunidade de comentar sobre o filme. Conversamos um pouco e então a pessoa que eu esperava chegou.
Pensei de novo no alguém que o personagem me lembra. Ele certamente teria gostado muito de estar lá e participar daquela conversa...

terça-feira, 22 de maio de 2007

Sobre o mocréio mané

Nada se compara à voz tranqüilizadora de C quando me encara com aquele olhar sereno e diz:
-Por que você está tão aborrecida? Ele é só um babaca!!!!!
J não podia estar em melhores mãos! Torço muito por essa minha querida! O mocréio mané que vá morar no reino dos babacas e deixe a nossa princesa em paz!!!

sábado, 19 de maio de 2007

O botão

As coisas que são e pronto têm de ser aceitas!
Ponto!

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Lilete


Bebete vamos embora
Que está na hora
Bebete vamos embora
Que está na hora
Olha que o sol vai sair
E Bebete sorrindo não parou de sambar
Eu sei que você me é fiel
Mas é que os vizinhos já estão a olhar e falar
Eu sou seu homem
E você minha mulher
Eu sou seu homem
E você minha mulher
Mas é que o nosso neném
Está chorando querendo mamar
E você sabe muito bem que logo mais
Eu tenho que ir trabalhar
Pois já não posso chegar atrasado
E nem pensar em faltar
E que o novo gerente não é lá muito meu amigo
E depois como é que eu posso comprar, estando a perigo
Novas sandálias
Pra você sambar Bebete
Bebete vamos embora
Que está na hora
Bebete vamos embora
Que está na hora
(Bebete Vãobora - Jorge Ben Jor)

quarta-feira, 16 de maio de 2007

Sobre o que não sei

Desde pequena vivo brigando com a poesia! Sou uma pessoa prática! Sempre busquei ter controle sobre as coisas do dia a dia, do "ano a ano"! Nunca tive dificuldade em fazer o que precisava ser feito. Não tenho problemas com horários, com pagar contas, estabelecer prioridades, traçar rumos e me manter neles... Tenho tido sucesso nesses aspectos. Tanto que estou convencida que sou assim!
Uma grande amiga uma vez me falou que eu faço o que tem de ser feito, e faço parecer fácil!!! Como me senti orgulhosa!
Então vem um porre qualquer!!! E falo alto, e danço, e exagero... São momentos inegavelmente bons!
Então vêm as lágrimas! Leio algo e pronto, lá estão elas. Como nunca consegui economizar lágrimas, tento adiar ao máximo o momento em que elas começam a correr.
Mas o que estava contido irrompe!!! Mas o que era mesmo que estava contido?
Que poesia é essa? Eu que sempre fui da prosa????
E eu calo, calo sobre o que não acredito, calo sobre o que não dou importância! E vem essa vontade danada de escrever não sei o que, de gritar não sei o que!
E brigo sem saber porque!
E sinto raiva dessa tormenta, dessa enxurrada!
Afinal, sou uma pessoa prática!!!!

domingo, 13 de maio de 2007

Momentos são iguais àqueles...

Estou muito emocionada! Estive com meu filho precioso na casa da minha mãe há pouco e senti uma enorme gratidão, por ser mãe, por ser mulher, pela vida, pelos momentos bons , pelos amigos que tenho...
Iniciei o dia dançando! Ontem comemorei o meu aniversário com pessoas muito queridas! Recebi muito carinho e pude abraçar minha mãe assim que o dia começou!
Estiveram presentes muitas outras pessoas amadas: meu marido, amigos recentes, amigos antigos... Estava A, que quase nunca sai; J, que acabou de passar por uma separação dolorosa; L que eu não via há quase 30 anos; I e R que eu vi crescer; além de todos que eu vejo com freqüência.
Alguns não foram por estarem doentes, uma virose que anda se espalhando pelo Rio e que eu tive na semana passada. Foi o caso de M, minha querida amiga dos tempos de faculdade e que eu amo muito!
Sana também não foi, e nem precisava! Esteve presente na minha certeza de que posso contar com ela pra sempre, em qualquer situação, esteja onde estiver, esteja como estiver. Não senti a sua ausência, pois ela mora dentro de mim há muitos anos e nunca está ausente!
Ganhei abraços, parabéns, música, poesia... Ganhei a certeza de que viver vale a pena sempre e de a lembrança desses momentos vai me levar pela mão nos inevitáveis momentos de dor! E quem não os tem?
Um certo poeta com nome bíblico lá não apareceu! Desse tomo satisfações pessoalmente!!!!
Quem me conhece deve estar sentindo falta da menção a uma pessoa! Apenas mais um detalhe!
Estou muito feliz!

sexta-feira, 4 de maio de 2007

Nunca?!

Ok, eu sei, eu disse!!! Eu jurei em alto e bom som, na frente do espelho e pra quem quisesse ouvir! Disse que não, que nunca mais, que nunquinha mesmo!!! Nem que o mundo caísse sobre mim, nem que Deus mandasse blablabla....
Caraca, mas, afinal, QUEM ACREDITOU????
Mesmo A e C teriam de concordar que estou com um saldo mais que positivo de estrelinhas... Posso perder algumas, ora bolas!!! Considero como prêmio por bom comportamento hehe...

P.S. Tive outro daqueles sonhos estranhos... O pior é que não consigo lembrar de jeito nenhum o que foi!!!


quarta-feira, 25 de abril de 2007

"Só o passado batendo em minha porta feito alma penada"

Sonho estranho...
Você me pedia pra não mandar mais e-mails. Eu socava tanto você! Tanta raiva!!! Mas você não era só você, era meu pai e era mais gente também!
G acha muito bom que J esteja sentindo raiva. Diz que assim ela vai começar a se posicionar...
No meu caso acho que o sonho serviu para que começasse a entender...

segunda-feira, 23 de abril de 2007

Cássia Eller e Nando Reis - Relicário

Impossível ouvir e não se emocionar!
Como determinados momentos são importantes e como permanecem na memória, intocados, mesmo depois do fim, mesmo quando não há mais nada, mesmo quando não se quer mais... Como são importantes! Quem não trocaria a eternidade por determinada noite... Quem nunca quis trocar a eternidade por determinada noite? Tão impossível, tão apaixonadamente humano...

sábado, 21 de abril de 2007

Ai que fome!!!

Uma disse que entende o assassino. Ando preocupada com essa menina! Parece conter uma revolta não se sabe exatamente contra o que ou quem! Nem ela sabe! Disse que ninguém percebeu os sinais. Pois eu percebo sinais de que ela precisa externar uma raiva... Preciso fazer alguma coisa pra ajudá-la. Ainda não sei bem o sei o que.
A outra parece não ter noção de tempo. Age como se pudesse estar em dois lugares ao mesmo tempo e isso fosse natural! Não entende quando tentamos explicar que não dá! E chora como se estivéssemos querendo mal a ela!
Caraca! Será que não dá pra fazer apenas o meu trabalho, que já é enorme?


Preguiça total! L vai ficar chateada, S vai ficar chateada! Ok, eu disse que iria, mas essa preguiça...
E fome, aquela fome sem apetite, coisa mais estranha. Só quem é magro entende como se pode ter fome e preguiça de comer. E ficar adiando até não agüentar mais, até as mãos começarem a tremer... Coisa de gente magra...

sexta-feira, 20 de abril de 2007

"E quando eu lhe telefonei, desliguei foi engano..."

Curioso! Simplesmente não gosto mais de você! Não estou falando de paixão, um sentimento que costuma realmente acabar! Estou falando de gostar. Gostar da companhia; do jeito; de como a pessoa pensa; das coisas que ela diz... Já havia acontecido antes na minha vida. Lembro de uma amiga muito próxima da qual de repente deixei de gostar! Mais do que deixar de gostar, não falava mais com ela, não falava mais nela, como se ela de repente houvesse deixado de existir!
Não sinto que você tenha deixado de existir, apenas não me sinto afetada por sua existência. Você passou de pessoa especial a pessoa comum. Não sei de onde tirava as cores que punha em você, mas sumiram misteriosamente, em um período de tempo não muito longo, como somem as cores provocadas por aqueles reagentes que uso para evidenciar determinadas substâncias. No início uma cor intensa, de uma beleza invariavelmente registrada em fotografias, destaca as células que as contêm, dos tecidos em volta. Com o tempo, porém, a cor vai sumindo, até que as estruturas que antes estavam em evidência passam confundir-se com o restante do tecido! E a semelhança termina ai, porque ao contrário das referidas fotografias, as que tirei de você, nem elas causam emoção. Não há mais brilho, há apenas uma pessoa como as outras... Como tantas outras...
E assim segue a sua existência...

quarta-feira, 18 de abril de 2007

Ó paí ó

Colorido
Ritmado
Belo
Crítico
Gostei!!!!

sábado, 14 de abril de 2007

"Just a perfect day"

Um café com leite, um queijo quente e o micro!
O dia amanheceu azul, mas logo ficou nublado! Melhor assim, posso ficar de camisola sem culpa! Amor foi dar uma volta. Filhote toca no quarto ao lado.
Jornal espalhado pela sala!
Gato deitado no sofá!
Preguiça de sábado!
Perfeito!

terça-feira, 10 de abril de 2007

Arrrghhh!!!!




Estou cansada se serenidade, de sorriso singelo, de cara lavada, de cabelo curto, de maturidade, de bons modos...
Ando com saudades de excessos...
Cansei de tanto equilíbrio! Quero gargalhar, dançar até ferir os pés, cantar, gritar, perder a linha, perder a compostura...
Que me perdoem (ou não), mas hoje me deu saudades de mim!

sexta-feira, 6 de abril de 2007

Felicidade

Sim, já é hora de voltar, mas escrever pode se tornar tão difícil quando se está ocupado em viver!
Às vezes penso nos caminhos que trilho e fico apavorada quando vejo que, por mais que me distraia com acasos e surpresas, não me desvio do planejado há muito! O mais assustador é perceber que o planejado não era necessariamente o que achava que queria!
E as dores, aquelas que fingimos, como diz o poeta? Às vezes é fundamental inventar dores... Confesso que tenho dificuldade em saber se determinadas dores são reais ou apenas distrações que invento pelo caminho, para que a felicidade faça sentido!

quarta-feira, 14 de março de 2007

Da série: "Por que as mulheres cortam os cabelos?"


Os dois filmes tratam do mesmo assunto! Um dia desses foi “Nosso amor do Passado” e ontem, “Antes do amanhecer”. O primeiro do reencontro de um casal 10 anos depois, por apenas uma noite; o segundo do encontro de um casal, muito jovem, por uma noite apenas!
Coisa interessante de se ouvir: “O meu primeiro marido me fazia deliciosamente infeliz!” “Sou romântica, às vezes sinto falta de um pouco de infelicidade!”
Em ambos os filmes os casais moram em países diferentes, concordam que os sonhos românticos irrealizados são perfeitos para viverem guardados na memória e acabam voltando para suas vidas.
Quem não conheceu/viveu tais histórias? Mesmos que uma noite seja um mês, dois anos?
Quem nunca guardou essas histórias com carinho, no fundo do baú e optou por ser feliz?
Também há quem prefira ficar trocando de sonhos românticos para sempre, sem nunca realizar! Sempre sendo abandonado por ou abandonando aqueles que optam pela felicidade; sempre oferecendo sonhos em outras paragens...
Escolhas pessoais...

quinta-feira, 8 de março de 2007

sábado, 17 de fevereiro de 2007

Redução da maioridade penal

Não creio que a redução da maioridade penal seja a solução para a violência em nossa cidade! Um garoto de 12 anos matou a avó, está no globo de hoje. O que faremos? Reduzir a maioridade penal para 12 anos? Para cada criança criminosa que enfiarmos atrás das grades, deixamos que o desespero fabrique mais 10! Houve uma campanha publicitária que dizia: "Adote seu filho antes que um traficante o faça"! Pois é o que devemos cobrar insistentemente dos governos: que protejam as nossas crianças antes que os bandidos as adotem! Uma criança que passa o dia inteiro na escola, estudando, alimentando-se, praticando esportes e aprendendo ofícios, estará tão cansada no final do dia que dificilmente terá disposição para ficar pelas ruas a mercê dos corruptores! Precisamos cuidar das nossas crianças, como excelente alternativa às escolas de bandidos que são as nossas prisões!
O texto acima reproduz parte de um comentário que fiz no "Prosa Eletrônica", a respeito de um post emocionado de um pai que, como todos nós, encontra-se abalado com os acontecimentos recentes!

terça-feira, 13 de fevereiro de 2007

Pivete





Li no “Globo” de hoje que a “Sociedade de Pediatria do Rio de Janeiro divulgou nota em que pede uma reflexão sobre nossas falhas ao permitir, passivamente, que crianças inocentes e puras viessem a se tornar verdadeiros monstros”.
Não pude deixar de pensar, mais uma vez, nas crianças que vemos pelas ruas vendendo balas, lavando vidros, andando em bandos, bandos que muitas vezes nos incomodam e assustam. O que de bom as ruas podem trazer para uma criança? Fiquei pensando também sobre o que alimenta um monstro: o desespero, o abandono, o descaso... Alguém consegue imaginar seu filho zanzando pelas ruas, cheirando cola para aliviar a dor da fome, da rejeição, da falta de carinho, da injustiça de ser tratado como um pequeno bandido por uma sociedade que não lhe ofereceu nenhuma alternativa? Por que permitimos que crianças passem por isso em nossa cidade?
Lembro de quando os pivetes começaram a se multiplicar no Rio de Janeiro. Eu era pequena e fiquei impressionada com as várias vozes se levantaram, para alertar que aquelas crianças cresceriam e se tornariam bandidos. Algumas gerações de “menores abandonados” depois, continuamos criando monstros! Será que algum dia tiraremos as crianças das ruas?

sábado, 10 de fevereiro de 2007

Insônia

De repente acordei meio fora de hora! Ainda bem que é sábado e posso cair novamente na cama quando o sono voltar!
Devorei uma barra de chocolate!
Ando pensando em ter outro filho. Adiei o desejo por uns anos por questões práticas da vida, mas cheguei na idade em que não posso e nem quero mais postergar. Que a vida me conceda mais esta benção!
Tentei postar um video do You Tube e não consegui. Tento outro dia.
Ando preocupada com meu filho canino, que arranjou uma ferida no rabo, sabe-se lá como e está com aquele colar, para não conseguir alcançar a dita! Morro de peninha!

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

saudaaaadeeeeee

Trabalhando muito!!!!!!
Chego com preguiça de escrever, mas com saudades do meu blog e dos amigos que fiz aqui!
Passei pra deixar um beijo, depois volto com calma!
Até breve!

quarta-feira, 31 de janeiro de 2007

Unhas pretas e Dostoiévski


Acabaram as férias!!!! Esse tempo gasto com trabalhos braçais me valeu mais do que muitos meses de terapia. Tive a oportunidade de pensar calmamente na vida, tomar algumas decisões importantes e resolver algumas questões sobre as quais não pude refletir durante a correria do dia a dia! Sinto-me tranqüila e muito bem disposta, como se tivesse acabado de chegar da Bahia! Falo isso, porque nada como uma estadia em terras baianas para me deixar bem! Chego aqui achando todo mundo neurótico! Embora carioca convicta, sou absolutamente fã dos baianos!
Minhas unhas da mão estão cheias de tinta preta (andei pintando um abajur) e derramei uma lata de tinta cor de alumínio em cima dos pés. Embora tenha quase me afogado em aguarrás, amanhã vou trabalhar com unhas de operária. Paciência!

Minha carreira de pintora fica suspensa por uns tempos! O resultado foi mais que satisfatório! Ficou tudo lindo!

.......................................................................................................
Ano passado fiquei sem carro por uns dias, por causa de uma batida. Para tornar as cerca de duas horas diárias de viagem (casa-trabalho, trabalho-casa) menos desgastantes, comecei a ler no ônibus! Quando o carro ficou pronto, não quis mais dirigir! São duas horas de leitura por dia, sem nada que atrapalhe ou interrompa! Vou ver se termino "Crime e Castigo"! Confesso que nunca o havia lido! Comecei no finzinho do ano passado e não li uma página em janeiro, ocupada que estava com os meus trabalhos com tinta! Pois voltarei a ele amanhã e assim que terminar, pego o Zorro, da Allende, que uma amiga me emprestou e que está me chamando!
2007 acaba de começar!

sexta-feira, 26 de janeiro de 2007

"Mais estranho que a ficção"

Acabei de chegar do cinema. Vi o filme do título! Gostei demais e sai pensando sobre as pequenas coisas do dia a dia, que, segundo uma das personagens do filme, salvam nossas vidas! Quando cheguei em casa abri o orkut e li um bilhetinho de uma amiga. Estive deprimida há pouco tempo e tive a oportunidade de receber muito apoio e muito carinho. Esse amor, que se recebe no momento em que não se tem condição de dar nada, é absolutamente delicioso e fundamental! Pois eu me sinto amada e apoiada pelos meus amigos antigos e recentes! Definitivamente esse amor salva vidas! Que eu possa sempre retribuir!!!!

P.S. As cadeiras ficaram lindas! Agora ando atracada com uma mesinha. Passei a tarde tirando quilos de tinta da pobre! Descobri o Pintoff! Tem cheiro muito forte e não deve fazer nada bem, mas tira a tinta antiga! Pois a mesinha voltou a parecer de madeira! Agora falta dar uma lixada e pensar se vou pintar ou envernizar. Estou adorando essa nova brincadeira!!

terça-feira, 23 de janeiro de 2007

Eu pintora


Após de um ótimo fim de semana, fora do Rio, com um grupo de amigos, retomei a minha arrumação anual. Resolvi pintar quatro cadeiras antes de estofá-las.
Comprei as cadeiras em uma loja de móveis usados, há uns anos, com a intenção de reformá-las. Finalmente decidi começar o trabalho.
O fato de eu jamais haver pintado nada, além das unhas, me pareceu apenas um pequeno detalhe na época da compra e até hoje de manhã. Os problemas começaram ao entrar em uma loja de tintas. A vendedora insistia em me fazer perguntas sem importância, como o tipo de tinta que eu levaria, o numero da lixa, o tamanho do rolo de espuma e o tipo e tamanho do pincel. A minha óbvia resposta de que eu queria pintar umas cadeiras não parecia satisfazê-la; continuava me olhando com prazer sádico esperando respostas mais detalhadas. Fui socorrida por outra vendedora, de bom coração, que separou o material sem mais perguntas.
Voltei orgulhosa das minhas compras e iniciei a tarefa de lixar as benditas cadeiras. Nunca imaginei que fosse tão cansativo! Muito suor e pó de madeira depois, sob o olhar divertido do estofador, finalmente coloquei o rolinho para funcionar. Já terminei a primeira mão e nenhuma tragédia aconteceu, além da bagunça, é claro! Estou esperançosa de que corra tudo bem!

quinta-feira, 18 de janeiro de 2007


Pulei cedo da cama!
Nem as férias e o tempo chuvoso, de um friozinho de janeiro, coisa mais estranha, conseguiram me manter debaixo das cobertas!
A casa anda um caos! Chamei o estofador para remediar os danos causados pelos meus amados amigos de quatro patas, a tudo que tem tecido e espuma. O senhor estofador desmontou o que serve para sentar e os pedaços andam espalhados pelos lugares mais inusitados.
Além disso, decidi trocar a estante de lugar. Após retirar todos os objetos e CDs e distribuí-los por várias superfícies, me dei conta de que ainda não sei aonde quero colocá-la. Das superfícies disponíveis, foi poupada apenas uma mesa de canto e uma de centro, utilizadas pelo estofador, como apoio para a máquina de costura e tecidos. Enquanto não decido o lugar da estante, não reponho os objetos.
Quem conseguiria dormir até tarde em tal situação?

domingo, 14 de janeiro de 2007

Amigos de infância


Lidiane mencionou, no Giramundo, o fato de Monteiro Lobato ter dito, certa vez, que crianças poderiam morar nos livros. O post fala sobre o amor da autora pelos livros e sobre sua sede de conhecimento.
A menção a Monteiro Lobato me lembrou um período da minha infância: eu tinha uns 11-12 anos e um caso de doença na família transformou aquela época, na mais difícil da minha vida! Foi quando me aproximei de Kitty, uma colega de escola, que também tinha problemas. Ela se mostrou uma grande amiga e vivemos muitas aventuras infantis juntas!
Kitty tinha uma biblioteca de títulos infanto-juvenis. Toda a coleção de Monteiro Lobato, bem como a Coleção Calouro, das Edições de Ouro. Eu mergulhei nos livros! Passei a morar neles por todo aquele período terrível! Eu vivi uma vida paralela, em um mundo maravilhoso, cheio de amigos incríveis e acontecimentos fantásticos! Era só terminar um livro e ela já me emprestava outro! Eu passava as tardes no meu quarto, mergulhada em fantasia! É claro que o rendimento escolar sofreu muito, mas qual a importância disso naquele momento?
Deixo registrada aqui a minha profunda gratidão a essa amiga de infância e aos autores de livros infanto-juvenis! A vida me deu esse grande presente!

segunda-feira, 8 de janeiro de 2007

Atirei no que vi...

Ontem foi um domingo surpreendente! Um pequeno contratempo teve como conseqüência tarde e noite muito agradáveis. Conheci novas pessoas, refiz antigos contatos, tive a companhia e o cuidado que andavam esquecidos e descobri amigos onde não os via!
Andei tão obcecada buscando o difícil, o complicado, que nem reparei no que estava construindo. Hoje vejo que a terra que retirei, do buraco que andei cavando, virou um degrau que me leva a novas e agradáveis possibilidades!
Que sejam bem-vindas!
P.S. Prendas do lar
Nada como férias! Tempo!
A máquina de costura que a minha mãe me deu há tempos, na esperança que um dia eu virasse uma mulher prendada, saiu do saco plástico! Havia uma bermuda, cortada de uma calça jeans, que desfiava interminavelmente! Decidi tomar uma providência! Depois de alguns minutos tentando decifrar os intrincados caminhos que a linha deve percorrer, do carretel até a agulha, finalmente inaugurei a máquina! Contive o processo de desfiar com uma costura em zigue-zague!
Estou orgulhosa!
P.S. 2. Inóspita liberdade
Sonhei com uma águia que deverias ser solta em uma ilha de rocha e ventania, sem vegetação! Era a ilha onde viviam as águias!

sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

Luz!

As amendoeiras foram podadas!
Adoro plantas, sempre adorei! Meu avô criava orquideas, minha mãe ocupa boa parte do seu tempo cuidando carinhosamente do seu jardim e eu, bem, digamos que eu tenha ido um pouco além no que se refere às plantas. Dedico a elas boa parte do meu tempo e energia! No entanto, aquelas copas enormes me oprimiam. Sentia-me presa em algum tipo de caverna escura; escondida, isolada!
A luz voltou à varanda! O azul, o verde... As folhas continuam lá, mas já não me separam da rua! Posso me aproximar da janela e me sentir parte do que acontece lá fora, ou então me afastar e ocupar minha mente com outras coisas! Posso escolher!
Fico feliz em ver as amendoeiras!

quarta-feira, 3 de janeiro de 2007

Dias bons!

Sim, eu dancei na festa! Rodopiei, esvoacei, levantei os braços, dei piruetas e sorri! Em uma tarde chuvosa, o som da guitarra e a voz amada do meu Dé me encheram de alegria e senti enorme prazer em um livro e em uma xícara de café! Um anjo veio trabalhar na minha casa. Almocei com um amigo de adolescência e achei divertido conversar e pensar sobre uma provável inexistência de livre-arbítrio. Comprei uma cortina colorida para o boxe e ando pensando na cor do sofá! Voltei a escrever! O cheiro de maresia entra fresco pela minha janela!

terça-feira, 2 de janeiro de 2007

Terra arrasada??????

Como pode a mesma dor que me afundou no escuro, o de não ter mais prazer no que me dá prazer, ter a função libertadora?
Como se fosse a escolha consciente da menor dor entre duas!
Como se a própria angústia da situação adquirisse o estado de terceira dor. E se a terceira se fosse com a segunda, para evitar a primeira, a mais aterrorizante, a mais poderosa!
E os ganhos, há que se pensar nos ganhos...
Ao final do espetáculo, sob a lona que eu enchi, na minha empreitada homérica, restaram pessoas. Algumas bem interessantes! Algumas bem surpreendentes!
Há que se pensar nos ganhos...

................................................................................................


Como diz o meu Dé, o que esperar de um ano que começou em uma segunda-feira chuvosa?
Que as nuvens se dissipem e da terra molhada brotem cores!
Um bom ano de 2007 para nós todos! Um ano de reconstrução!